História do Yogurte

O yogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por volta de 1542, proveniente do Império otomano, aonde terá chegado a partir da Ásia. A própria palavra yogurte tem etimologia turca que provém da palavra yoghurma que tem o significado (engrossar).

Atribuíam-se ao yogurte poderes excepcionais, mas, apesar desta auréola de alimento revitalizador, com virtudes quase semelhantes às dos elixires da juventude, o produto não era muito consumido devido a repulsa que o sabor provocava.

Na antiguidade o iogurte é considerado medicinal, pois é de fácil digestão e benéfica para a flora intestinal, as proteínas do leite, que têm um alto valor biológico, são parcialmente pré-digeridas por ação das bactérias lácticas, o que permite uma melhor digestão e também a acidez do yogurte confere uma proteção natural contra as infecções, manifestando-se a inibição de diferentes tipos de bactérias patogênicas no iogurte. Por outro lado, o acido láctico dissolve o cálcio presente no iogurte e favorece a sua assimilação.

No século XX foi registrado alto consumo de yogurte na Europa, mais especificamente, entre gregos e georgianos. 

No Brasil o consumo só pode ser considerado significativo depois de 1970, não existem muitos relatos antes desta data.

Na atualidade o maior consumo de yogurte é na Ásia e Europa Central, e a Bulgária é o país de maior consumo per capita.